Home office é prática adotada por 100% da área corporativa de grupo da construção civil

Por conta do coronavírus, grupo do setor de construção civil mobilizou esforços e reuniu sua área corporativa em home office, restringindo assim a circulação e a aglomeração de pessoas

O grupo formado pelas construtoras Bild Desenvolvimento Imobiliário e Vitta Residencial Construtora e Incorporadora, com atuação em cidades do interior do Estado de São Paulo e de Minas Gerais, mobilizou esforços com toda sua equipe corporativa e hoje atua, em sua totalidade, em home office, prática em que os colaboradores cumprem a carga horária de trabalho em suas casas. A adoção fez parte do plano de contingência das empresas como medida preventiva no combate ao coronavírus (Covid-19), evitando assim a aglomeração e restringindo a circulação de colaboradores, clientes e fornecedores. A iniciativa visou inicialmente cumprir todas medidas impostas pelos órgãos competentes e Governo desde março deste ano, em razão da pandemia instalada no país, bem como surgiu de um plano preventivo da empresa, durante a crise.

Com o surgimento de novos casos no Brasil, a prática do home office nas empresas Bild e Vitta foi intensificada e, hoje, cerca de 1.500 colaboradores trabalham em casa. “A estratégia deu certo e está funcionando com alta performance, apesar do grande número de colaboradores em atuação no meio corporativo”, destaca Adriana Luz, diretora de gestão de pessoas do grupo. Segundo ela, o home office já era uma realidade nas duas companhias e incentivado no dia a dia. “As duas empresas do nosso grupo já estavam sendo preparadas para a prática. Por conta desta vivência, a adaptação dos colaboradores foi mais fácil, pois antes da pandemia o home office já era incentivado. Hoje, quase um mês depois, com toda a equipe em casa, não detectamos nenhuma perda de produtividade”, avalia. Neste caso, segundo a gestora, a inovação foi somada à    capacidade já adquirida de administrar a cultura e implementar as transformações com velocidade e ritmo.

Para a equipe, essa nova flexibilidade nas relações de trabalho, instrumento adotado para amenizar essa crise, tem sido positiva e bastante produtiva. Segundo os colaboradores, as ferramentas estão funcionando perfeitamente, mesmo à distância. Para eles, o apoio das empresas, tanto psicológico quanto profissional, durante esse momento difícil, possibilita o exercício das atividades normalmente além de manter o equilíbrio emocional de todos.

Suporte emocional

Para que a operação permaneça com equipe motivada, as duas companhias adotaram o acolhimento e o apoio psicológico a todos os colaboradores. “O colaborador que sentir a necessidade de um apoio ou de uma ajuda, basta sinalizar”. A equipe conta com suporte de psicólogos para acolhimento por um mês. O objetivo é auxiliar os profissionais no que for necessário durante o isolamento ou distanciamento sociais. “Alguns, por morarem sozinhos, sentem muito a falta do contato social, por isso, esse acolhimento e atenção são tão necessários nessa hora”, explica Adriana Luz. A gestora destaca que colaboradores que fazem parte do grupo de risco contam também com acompanhamento individual para identificação de apoio médico, além da assistência com alimentos e medicamentos, evitando a saída e possível exposição. “Neste momento histórico e de pandemia no nosso país, trabalhar em home office significa preservar vidas, bem como mais saúde, conforto e produtividade”.

Capacitação e diálogo

Outro cuidado para a operação home office que as construtoras tiveram foi a presença constante dos gestores com suas equipes, através de reuniões remotas. “Além do trabalho diário, não podemos deixar o lado social e pessoal de fora. Apesar da distância, os cuidados com a nova adaptação e realidades fazem parte da rotina. Incentivamos as relações construtivas, mesmo à distância”, explica Adriana Luz.

As transmissões de cursos e webinars também se tornaram constantes no cotidiano das empresas, com conteúdo voltados às boas práticas de trabalho remoto, empreendedorismo, novos pensamentos, além de informações sobre a pandemia do coronavírus, orientada pela médica infectologista, Karen Morejon, como envolver o trabalho com as rotinas da casa e família, esclarecidas pela psicóloga Clarice Skalkowicz; e a mais recente, que trouxe o tema sobre os novos hábitos e a importância do pensamento positivo na reinvenção da forma de viver, com a equipe Bild e Vitta.

As construtoras têm tido também um apoio grande do setor de TI – tanto para a modalidade funcionar quanto para outras atividades planejadas para plataformas online. “Há uma colaboração muito grande da área de infraestrutura e de tecnologia, inclusive em relação à internet”, destaca a gestora Adriana Luz.

HOME OFFICE NO BRASIL

No Brasil, a modalidade de trabalho direto da casa do profissional vem ganhando forças durante a pandemia. É o que comprova uma pesquisa feita pela consultoria BTA – Betania Tanure Associados, divulgada no final de março. Entre as 359 empresas brasileiras ouvidas pela pesquisa, 43% delas já possuem essa política há mais de um ano e 60% das entrevistadas adotaram o regime de home office durante o período de isolamento social. Também, de acordo com a ‘Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua Anual: Características Adicionais do Mercado de Trabalho 2012-2018’, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em dezembro do ano passado e divulgada pela Agência Brasil, houve no país um forte incremento de pessoas trabalhando em casa nos últimos anos. Entre 2016 e 2017, o número de trabalhadores cujo local de trabalho era o domicílio aumentou 16,2%. Entre 2017 e 2018, a expansão foi maior, atingindo 21,1%.

Em entrevista à Agencia Brasil, o presidente da Sociedade Brasileira de Teletrabalho e Teleatividades (Sobratt), Luis Otávio Camargo Pinto, afirmou que a expansão do home office está vinculada à regulamentação do teletrabalho, trazida pela reforma trabalhista. “A tendência é de aumento desse processo. Com o coronavírus, é o momento do teletrabalho, porque toma uma dimensão mundial”.