Secretaria da Saúde registra queda de casos de dengue em abril

Naquele mês, foram confirmados 519 casos na cidade; no ano, já são 12.179 confirmados; pasta conclama a população na conscientização e combate à doença

Getty Images

O departamento de Vigilância em Saúde, órgão da Secretaria Municipal da Saúde, divulgou nesta segunda-feira (4) o Boletim Epidemiológico da dengue – 519 casos foram confirmados na cidade no mês de abril. Em comparação ao mesmo período do ano passado, quando foram registrados 4.222 casos da doença, houve uma redução de 87,7% de pessoas infectadas pelo mosquito Aedes aegypti.
Já os números em 2020, considerando os meses de janeiro, fevereiro, março e abril, concentram 12.179 casos. O índice é 69,32% maior que em 2019, quando foram registrados, no mesmo período, 7.193 casos da doença.

“Oitenta por cento dos casos estão nas casas das pessoas e a conscientização da população é fundamental. Cada morador deve cuidar do seu quintal, eliminando focos de água parada para que o mosquito não se desenvolva. Portanto, além das nossas atividades, precisamos muito da participação da população limpando sua própria casa”, orienta o secretário da Saúde, Sandro Scarpelini.

A diretora do Departamento de Vigilância em Saúde, Luzia Márcia Romanholi Passos, ressalta que são encontrados e recolhidos muitos criadouros do mosquito durante o trabalho de campo, que prevê, além do recolhimento do material, orientação às pessoas.

“A conscientização e ajuda da população são fundamentais para o controle da doença. Portanto, solicitamos aos moradores da cidade que limpem suas casas, seus quintais semanalmente e não deixem acumular água parada, ambiente ideal para o mosquito crescer. Somente assim conseguiremos vencer essa batalha na cidade”, alerta a diretora.

Coronavírus, Chikungunya, zika vírus, microcefalia, febre amarela, gripe H1N1 e Sarampo

Estão em investigação 1.559 casos suspeitos de infecção pelo novo coronavírus (covid-19) na cidade. Ao todo, são 300 confirmados, 887 descartados e oito óbitos. Os exames foram encaminhados para análise ao Instituto Adolfo Lutz, na capital paulista.

Já para a chikungunya, não houve nenhum caso confirmado da doença em abril de 2020.
Quanto à microcefalia ou outras alterações neurológicas possivelmente relacionadas à infecção pelo zika vírus, foram registrados como suspeitos quatro casos em abril deste ano.

De acordo com o Boletim Epidemiológico, não houve registro de febre amarela no mês de abril.  Desde 2016, não há registro de casos da doença em Ribeirão Preto.

Em relação à Síndrome Respiratória Aguda Grave (gripe causada pelo vírus Influenza), não foi confirmado nenhum caso naquele mês, assim como não foram registrados pacientes com sarampo e febre amarela.

O Boletim Epidemiológico está disponível na página da Prefeitura (www.ribeiraopreto.sp.gov.br).