Casos de dengue têm queda pelo quarto mês consecutivo em Ribeirão Preto

Em julho, foram confirmados 21 casos na cidade; Secretaria da Saúde conclama a população para a conscientização e combate à doença

F L Piton/PMRP
O departamento de Vigilância em Saúde, órgão da Secretaria Municipal da Saúde, divulgou nesta quarta-feira (5) o Boletim Epidemiológico da dengue, com 21 casos confirmados na cidade no mês de julho. Em comparação ao mesmo período do ano passado, quando foram registrados 319 casos da doença, houve uma redução de 93,42% de pessoas infectadas pelo mosquito Aedes aegypti.

Já em 2020, considerando os meses de janeiro, fevereiro, março, abril, maio, junho e julho, os números concentram 13.536 casos. O índice é 25,30% maior que em 2019, quando foram registrados 17.361 casos no mesmo período. Desde abril, os casos de dengue em Ribeirão Preto estão em queda.

“Oitenta por cento dos casos estão nas casas das pessoas e, por isso, a conscientização da população é fundamental. Cada morador deve cuidar do seu quintal, eliminando focos de água parada para que o mosquito não se desenvolva. Portanto, além das nossas atividades, precisamos muito da participação da população limpando sua própria residência”, orienta o secretário da Saúde, Sandro Scarpelini.

A diretora do Departamento de Vigilância em Saúde, Luzia Márcia Romanholi Passos, ressalta que são encontrados e recolhidos muitos criadouros do mosquito durante o trabalho de campo, que prevê, além do recolhimento do material, orientação às pessoas.

“A conscientização e ajuda da população são fundamentais para o controle da doença. Portanto, solicitamos aos moradores da cidade que eliminem os criadouros do mosquito, limpando seus quintais semanalmente e eliminado água parada, ambiente ideal para o Aedes crescer. Somente assim conseguiremos vencer essa batalha na cidade”, alerta a diretora.

Chikungunya, zika vírus, microcefalia, febre amarela, gripe H1N1 e Sarampo

No caso da chikungunya, não houve nenhuma confirmação da doença em julho de 2020.

Quanto à microcefalia ou outras alterações neurológicas possivelmente relacionadas à infecção pelo zika vírus, também não foi registrado nenhum caso suspeito em julho. No ano, foram 44 notificações, nenhuma confirmada.

De acordo com o Boletim Epidemiológico, não houve registro de febre amarela no mês de julho deste ano.  Desde 2016, não há registro de casos da doença em Ribeirão Preto.

Em relação à Síndrome Respiratória Aguda Grave (gripe causada pelo vírus Influenza), não foi confirmado nenhum caso no mês. Também não houve casos confirmados de sarampo no mês de julho.
O Boletim Epidemiológico está disponível no site  da Prefeitura.