FENASUCRO & AGROCANA TRENDS aponta a internacionalização da experiência brasileira no setor sucroenergético como estratégia no cenário de sustentabilidade mundial

Os participantes do primeiro dia do evento online, que é focado no mercado de bioenergia, indicam que o modelo brasileiro é viável e pode ser aplicado em qualquer país como solução ambiental para a redução de poluentes

Fenasucro & Agrocana TRENDS abre destacando a internacionalização da experiência brasileira no setor sucroenergético

O modelo de produção do setor sucroenergético brasileiro precisar trabalhar nos processos de divulgação, visando a internacionalização da experiência nacional como opção para as estratégias de redução de poluentes no cenário de sustentabilidade mundial.

 

Essa visão foi compartilhada pelos debatedores na abertura do FENASUCRO & AGROCANA TRENDS, ocorrida na terça-feira (18/08), que teve como tema principal “Tendências para o setor sucroenergético – as novas perspectivas que levarão o setor a um novo patamar”.

 

A proposta do evento online, que acontecerá até o dia 20 de agosto, é oferecer conteúdo atualizado em relação ao mercado de bioenergia, em um ambiente único e acessível para empresas e profissionais de toda a cadeia do setor.

 

O debate de abertura do FENASUCRO & AGROCANA TRENDS contou com a participação de Paulo Montabone, Diretor da Fenasucro & Agrocana; Marcos Montes Cordeiro, Secretário-Executivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; Antônio Tonielo, Presidente da COPERCANA; Evandro Gussi, Presidente da UNICA (União da Indústria de Cana-de-Açúcar); Plínio Nastari, Presidente da DATAGRO; Luis Carlos Junior Jorge, Presidente do CEISE Br; Arnaldo Jardim, Presidente da Frente Parlamentar dos Biocombustíveis; Guilherme Nastari, Diretor da DATAGRO; e Alberto Gimenez, Prefeito de Sertãozinho.

 

De acordo com Evandro Gussi, Presidente da UNICA, a principal dificuldade é a falta de conhecimento sobre o setor bioenergético, que possui um nível de sustentabilidade e um valor estratégico de interesse mundial. “A descarbonização será a palavra de ordem do século 21. As soluções em alguns setores acontecem da seguinte maneira: um projeto para alcançar uma meta de 20% tem um orçamento de US$ 100 milhões, mas se precisar aumentar a meta em mais 10% dobra o custo. Por isso, que o nosso serviço de sustentabilidade e a nossa vocação têm um lugar fundamental nesse cenário futuro. Afinal, com todas as barreiras, atendemos 40% do mundo. Mostrar essa conexão é o nosso desafio”, disse Gussi.

 

A opinião foi reforçada por Plínio Nastari, presidente da DATAGRO, que também destacou os avanços do Brasil em relação à eficiência do processo de mecanização e a curva de valorização do etanol por suas qualidades ambientais. “Devemos transmitir a experiência do Brasil, porque o setor promove o desenvolvimento econômico, essa estratégia se aplica ao mundo inteiro. Muitos países estão voltados para a bioenergia aliada à agricultura alimentar. Regiões como a África, América Latina, Índia e sudeste asiático têm esse grande potencial. Estamos no meio de uma discussão de mobilidade sustentável e este setor é a solução. Para as empresas e empresários do setor significa valorização dos seus ativos, não adianta ser eficiente da porteira para dentro, é preciso unir esforços para valorizar esse produto e ampliar o mercado”, afirmou Nastari.

 

O secretário-executivo do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Marcos Montes Cordeiro, disse que o governo também vem buscando medidas para melhorar as condições de negócio favorecendo os investimentos na bioenergia. “O Brasil precisa se debruçar buscando a segurança jurídica para fomentar os investimentos. O desenvolvimento sustentável está bastante acelerado. Agora estamos consolidando o Renovabio, mas vamos batalhar para melhorar as condições do CBIO.”

 

O deputado federal Arnaldo Jardim, presidente da Frente Parlamentar dos Biocombustíveis, ressaltou que o setor enfrentou algumas dificuldades no início do ano em razão da pandemia e que precisa de condições adequadas de infraestrutura. “O porto de Santos indicou um aumento de 12% em relação ao ano passado, o que demonstra o crescimento do setor agrícola, mas precisamos ampliar as condições de investimento em infraestrutura, já que o setor tem desafios de logística. O crescimento sustentável precisa de investimentos em setores estratégicos. O Plano Ásia, que teve a divulgação do etanol na Índia e a busca de novos mercados para o açúcar, é um bom exemplo. Além disso, o setor que mais pode contribuir com a descarbonização é setor sucroenergético”, afirma Jardim.

 

Homenagem

 

Durante o debate, o diretor da Fenasucro & Agrocana, Paulo Montabone, prestou uma homenagem para Plinio Nastari, Presidente da DATAGRO, com a entrega de uma placa pela sua contribuição ao setor, principalmente, ao programa Renovabio. “Se fosse possível personificar uma imagem do pai do Renovabio, ele teria a imagem do Plinio Nastari, que eu considero como sendo o pai do programa”, disse Montabone.

 

Bioeletricidade, Biogás e Canathon

 

O FENASUCRO & AGROCANA TRENDS prossegue na quarta-feira (19/08), a partir das 16h, com o seminário “Bioeletricidade/Biogás: a postos para a Retomada do Investimento”, que tem como objetivo discutir a modernização do setor elétrico e as perspectivas positivas para a retomada do investimento para a bioeletricidade e o biogás, incluindo, os impactos positivos para o biometano.

 

Os temas serão apresentados por Newton Duarte, presidente-executivo da Associação da Indústria de Cogeração de Energia (COGEN); Reginaldo Medeiros, presidente-executivo da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (ABRACEEL); Alessandro Gardemann, presidente-executivo da Associação Brasileira do Biogás (ABIOGÁS); Bárbara Rubim, coordenadora de negócios em geração distribuída de energia na RAÍZEN e VP no Conselho de Administração da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR); Zilmar Souza, gerente de bioeletricidade da União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA); e Luis Carlos Junior Jorge, presidente do CEISE Br.

 

Já na quinta-feira (20/08), tem início o Canathon, primeiro hackathon internacional voltado para o setor de bioenergia buscando soluções sustentáveis e inovadoras para o mercado.

 

Os interessados podem se inscrever gratuitamente e acompanhar a programação da Fenasucro & Agrocana TRENDS pelo link https://www.fenasucro.com.br/pt-br/fenasucro-agrocana-trends/conteudos-digitais.html .

 

A 28ª FENASUCRO & AGROCANA será realizada de 17 a 20 de agosto de 2021, em Sertãozinho/SP. A Feira Internacional da Bioenergia é realizada pelo CEISE Br e organizada pela Reed Exhibitions.