Live com Marçal Aquino e Rodrigo Teixeira é destaque de 40tena Cultural

Na próxima sexta-feira (21), às 19h, a Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto promove um bate-papo online com o tema “A Letra na Tela: Adaptação Livro-Filme”. A live será transmitida pelo Instagram @fundacaolivrorp e vai reunir dois especialistas na área: o autor e roteirista Marçal Aquino, e o produtor de cinema Rodrigo Teixeira, que será mediador do encontro.

Marçal Aquino nasceu em Amparo, no interior paulista, em 1958. É escritor, jornalista e roteirista de cinema e de televisão. Publicou, entre outros livros, os romances “O Invasor” (2002) e “Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios” (2005), que receberam mais tarde célebres adaptações para o cinema pelas mãos do diretor Beto Brant e de Renato Ciasca – e tiveram participação de atores como Malu Mader, Mariana Ximenes, Paulo Miklos, Marco Ricca, Alexandre Borges e Camila Pitanga.

Nascido no Rio de Janeiro e criado em São Paulo, Rodrigo Teixeira é um premiado produtor de cinema, com carreira internacional. Só em 2019, representou três filmes no importante Festival de Cannes: “The Lighthouse”, de Robert Eggers, “A vida invisível de Eurídice Gusmão”, de Karim Aïnouz, e “Port Authority”, de Danielle Lessovitz com participação de Martin Scorsese, entre os coprodutores.

Neste encontro, os dois pretendem discutir o universo instigante das adaptações cinematográficas e vão destacar como livros inteiros são roteirizados até se transformarem em um produto audiovisual original.

Visão do escritor
Neste campo artístico, Marçal Aquino tem grande experiência. Um de seus livros adaptados (e que serão comentados na live), “O Invasor” nem havia sido finalizado quando começou a ser gravado para as telas. “Foi um processo bem peculiar, porque eu só tinha escrito um terço do livro quando mostrei para o Beto Brant e ele se interessou pelo material. Eu nem sabia ainda do desfecho, porque gosto de trabalhar no escuro e de ir descobrindo a história conforme a escrevo”, comenta. O autor acabou até mesmo abandonando o romance por um tempo, passando a trabalhar unicamente no roteiro para cinema. Tanto que o filme (2001) nasceu antes do livro (2002).

Essa foi apenas uma de suas experiências com adaptações. Outra delas aconteceu com o livro “Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios”, publicado em 2005. Dessa vez, o processo foi mais ameno, já que, segundo Aquino, o livro “já estava pronto”. “Essa história de você fazer roteiro de um enredo inacabado é mais complicado. O ‘Eu receberia’ foi mais tranquilo. A gente trabalhou muito rápido: o livro foi lançado em 2005 e nós escrevemos esse roteiro em 2006”. Até conseguir dinheiro para as filmagens, alguns anos se passaram, mas em 2011 o filme foi lançado.

Marçal brinca que o próprio título desse livro foi um folclore à parte. “No começo, ninguém gostava. Eu comentava que estava escrevendo um livro com esse título e o pessoal se indignava, perguntando como é que o leitor iria se lembrar de algo grande assim”. Um amigo do escritor chegou mesmo a dizer que parecia “um verso ruim de bolero” e até mesmo Rubens Fonseca lhe telefonou para dizer que o título deveria ser “Lavínia”. Mas, depois de publicado, ele diz que todos gostaram. “Tem gente que conta que comprou por causa do título. A revista Playboy naquele ano elegeu o título mais sexy da literatura brasileira. E ele acabou ficando consagrado”, conta.

Algo em comum entre essas duas produções comentadas, apesar de seu processo tão distinto, é que Marçal nunca se opôs à participação do diretor na formulação do roteiro. “Eu sempre coloco o livro à disposição e tento entender que filme ele está deslumbrando daquele material literário. A partir daí, procuro auxiliá-lo para colocar no papel uma norma técnica, que é o roteiro, para que isso possa se materializar”.

Mesmo já premiado com um Jabuti e com o Prêmio V Bienal Nestlé de Literatura, Marçal não perdeu a humildade. “O fato de eu ter escrito o livro não significa que eu saiba mais sobre os personagens e sobre as situações do que quem lê. Normalmente quem lê o faz de uma forma diferente da minha – e é rico que seja assim, que a literatura tenha essa possibilidade de abrir tantos horizontes. Uma adaptação é apenas uma leitura que aquele diretor faz do livro”.

Produção entrelaçada aos livros
O produtor de cinema e mediador da conversa, Rodrigo Teixeira, revela que tanto a literatura como o cinema entraram na sua vida ainda quando era criança, quando foi alfabetizado. “Minha mãe me incentivou a ler e eu lia todas as noites”, conta.

A produção cinematográfica de Rodrigo está entrelaçada aos livros que o encantam. “Para adaptações eu tenho que se apaixonar pela história. Se eu não me apaixonar não vou fazer. Qualquer filme que eu faça inspirado num livro, vou trabalhar desta forma”.

Para Teixeira, quando você lê um livro, dirige a sua própria versão da história, mas quando assiste a um filme está vendo a versão de alguém e pode gostar ou não. “Cada um filma algo próprio”, finaliza.

Rodrigo Teixeira é hoje membro da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas nos Estados Unidos e fundador da produtora RT Features. No mercado internacional, já produziu longas como Frances Ha (2013), A Bruxa (2016) e Me chame pelo seu nome (2017), vencedor do Oscar de melhor roteiro adaptado.

No Brasil, produziu A Vida Invisível de Eurídice Gusmão exibido no último Festival de Cannes e vencedor da mostra Un Certain Regard. No mesmo ano, estreou ainda O Farol, com Willem Dafoe e Robert Pattinson, exibido na Quinzena dos Realizadores e vencedor do Prêmio da Crítica Internacional.

40 tena cultural
Para saber mais informações e acompanhar as novidades da programação semanal da 40tena cultural da Fundação do Livro e Livro, basta acessar as redes sociais da entidade:
Instagram (@fundacaolivrorp)
Facebook (facebook.com/FundacaodoLivroeLeituraRP)
Linkedin (fundacaolivrorp),
Twitter (@FundacaoLivroRP)
Youtube (FeiraDoLivroRibeirao)
Site: www.fundacaodolivroeleiturarp.com

SERVIÇO
O que: Live com Marçal Aquino mediada pelo produtor de cinema Rodrigo Teixeira
Quando: 21/08/2020
Horário: 19h
Transmissão pelo Instagram: @fundacaolivrorp
Participação aberta e gratuita

Sobre a Fundação
A Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto é uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos. Trata-se de uma evolução da antiga Fundação Feira do Livro, criada em 2004, especialmente para realizar a Feira Nacional do Livro da cidade. Hoje, é considerada a segunda maior feira a céu aberto do país, realizada tradicionalmente no mês de junho. Em 2020, a Feira entraria na 20ª edição e tornaria-se internacional. Por isso recebeu recentemente nova identidade, apresentando-se como FIL (Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto), mas foi remarcada para 2021 devido à pandemia de Coronavírus.
Com uma trajetória sólida e projeção nacional e agora internacional, ao longo de seus 20 anos, a entidade ganhou experiência e atualmente, além da Feira, realiza muitos outros projetos ligados ao universo do livro e da leitura com calendário de atividade durante todo o ano. A Fundação se mantém com o apoio de mantenedores e patrocinadores, com recursos diretos e advindos das leis de incentivo, em especial do Pronac e do ProAc.