Após ser rebaixada, Ribeirão Preto vai à Justiça para manter bares, academias e salões abertos

Prefeitura questiona aumento de mortes provocadas pelo novo coronavírus na cidade

Alexandre de Azevedo/PMRP

Após ter sido rebaixada à fase laranja do plano São Paulo, a segunda mais restritiva no plano de reabertura das atividades econômicas, Ribeirão Preto vai à Justiça para tentar ser mantida na fase amarela, o que permitiria a abertura de bares e restaurantes.

O anúncio de que a cidade e outros 25 municípios que fazem parte do mesmo DRS (Departamento Regional de Saúde) recuaram para a fase laranja foi feito em entrevista no Palácio dos Bandeirantes no início da tarde desta sexta-feira (4).

O rebaixamento, que ocorre após a cidade ficar um mês na fase amarela, ocorreu devido à evolução do total de mortes provocadas pelo novo coronavírus, cujo índice alcançou 1,48. Isso significa que elas cresceram 48% em uma semana, em comparação à semana anterior.

Mas, segundo o prefeito de Ribeirão Preto, Duarte Nogueira (PSDB), esse crescimento não é real. Ele afirma que os dados estavam represados e, quando lançados no sistema,
causaram um aumento irreal para o período.

Em entrevista à imprensa no fim da tarde desta sexta, o prefeito, aliado do governador João Doria (PSDB), disse que vai adotar duas estratégias para tentar reverter a decisão: um pedido de revisão feito ao governo paulista e a judicialização do tema.

“Não deixamos ninguém para trás. Nem mesmo em julho, quando atingimos 99,4% de ocupação de UTI, não ficou ninguém sem atendimento. Queremos permanecer naquela [fase] que de fato a coerência nos coloca. Não por desejarmos estar, mas pelos critérios técnico, científico, lógico e objetivo”, afirmou Nogueira. A judicialização está sendo feita, conforme ele, “para que a Justiça possa nos fazer justiça”.

No anúncio do governo Doria, o estado informou que as regiões de São José do Rio Preto, Marília, São João da Boa Vista, Presidente Prudente e Registro avançaram para a fase amarela. Isso significa que 95% da população paulista está nessa fase, mais branda que a laranja e a vermelha —a mais restritiva das cinco etapas.

Além de Ribeirão Preto, só a região de Franca está na fase laranja. Ribeirão soma 22.599 casos do novo coronavírus, com 599mortes. Há 2.579 moradores aguardando resultado dos exames. Nos hospitais públicos e privados da cidade há 161 pessoas internadas em leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) exclusivos para Covid-19, o que representa 73,52% dos 219 existentes atualmente.
Desses pacientes, 115 estão utilizando respiradores na noite desta sexta-feira. Em enfermarias, a ocupação é de 62,26%, com 165 pacientes para um total de 265 vagas, dos quais 5 necessitam de respiradores.

No HC (Hospital das Clínicas), vinculado à USP (Universidade de São Paulo), há 45 pacientes internados, o que representa 65,22% das 69 vagas existentes.

Segundo o secretário da Saúde de Ribeirão, Sandro Scarpelini, a decisão do governo
estadual “está sendo injusta com a região toda”. O índice de positividade de casos na cidade tem caído. Entre junho e julho, a cada 100 testados mais de 60% tiveram diagnóstico positivo para a Covid-19, índice que em setembro está em 40%.

 

 

 

Com Informações: Grupo Folha de São Paulo