Hospital Unimed Ribeirão Preto inaugura nova máquina para tratar casos de insuficiência renal aguda

5

O Hospital Unimed Ribeirão Preto iniciou na semana passada o uso de um novo procedimento em casos de insuficiência renal aguda (IRA): a hemodiafiltração contínua. Essa terapia pode ser utilizada em sessões de até 72 horas, renováveis quantas vezes for necessário, enquanto na hemodiálise convencional o tratamento é possível por apenas quatro horas em cada dia.

Sérgio Ricardo de Antônio e Alan Fernandes Laurindo._Crédito foto Rafael Fernandes

A técnica, realizada por meio de equipamento especifico, é inédita entre os hospitais da rede privada na cidade. Com esse tratamento é possível manter o equilíbrio hídrico do paciente, impedir o inchaço e retirar continuamente ácidos e resíduos produzidos pelo organismo, otimizando outras medidas de suporte, como nutricional, ventilatória e hemodinâmica (leia mais abaixo).

“A hemodiafiltração contínua melhora os prognósticos em casos de choques hemodinâmicos, em que a pressão está muito baixa, devido a complicações pós-cirúrgicas de grande porte, como nas intervenções no coração, ou quando da infecção grave por sepse, em que o paciente não suportaria a hemodiálise convencional”, explica o médico Osvaldo Merege Vieira Neto, um dos coordenadores da equipe de Nefrologia do hospital, ao lado dos médicos Sérgio Ricardo de Antônio e Alan Fernandes Laurindo.

Sepse é um conjunto de manifestações graves em todo o organismo, produzidas por uma infecção, que pode estar localizada em apenas um órgão, como por exemplo, o pulmão, mas provoca em todo o organismo uma resposta com inflamação, numa tentativa de combater o agente da infecção. Essa inflamação pode vir a comprometer o funcionamento de vários órgãos do paciente. O quadro é conhecido como disfunção ou falência de múltiplos órgãos.

Segundo o Instituto Latino Americano de Sepse (ILAS), o problema é responsável por 25% da ocupação de leitos em UTIs no Brasil. Os índices de mortalidade no país chegam a 65% dos casos, enquanto a média mundial é de 40%. “Com a entrada em operação deste novo recurso, ampliamos em muito a nossa capacidade de salvar vidas em casos considerados graves”, completa Vieira Neto.

Capacitação profissional

Para manusear o novo equipamento e executar os procedimentos terapêuticos necessários para a realização da hemodiafiltração contínua, 12 membros da equipe de enfermagem da UTI (Unidade de Terapia Intensiva) estão em fase de capacitação por meio do programa de Educação Continuada do Hospital Unimed. A meta é que todos os 120 profissionais que compõem esta equipe passem pelo treinamento. “A aquisição de novos equipamentos e a capacitação de nossas equipes são continuas no ambiente hospitalar, assim conseguimos agregar melhorias e inovações que contribuem para um atendimento diferenciado aos nossos usuários, dentro do nosso objetivo de oferecer um hospital de grande capacidade resolutiva para a região”, avalia Elpidio José Mieldazis, superintendente do Hospital Unimed Ribeirão Preto.

Mais informações

Por ser lenta e prolongada, a hemodiafiltração contínua não provoca instabilidade hemodinâmica e permite realizar as funções que os rins deveriam estar fazendo mesmo em pacientes com pressão arterial muito baixa e que necessitam de drogas para controle. Outro diferencial é que esse tratamento usa um novo tipo de anticoagulação necessária para o procedimento, que utiliza citrato e atua apenas no sistema e no filtro, mantendo o paciente com a coagulação normal, o que não ocorre em hemodiálise convencional, condição em que o organismo do paciente fica anticoagulado, o que não é desejável, principalmente em casos de pós-operatório.

Sobre o Hospital Unimed Ribeirão Preto

Com o foco total no paciente, o Hospital Unimed Ribeirão Preto conta com estrutura de excelência e uma equipe multiprofissional pautada pelos mais modernos protocolos assistenciais, prezando pela humanização no atendimento, com segurança e eficiência.