“Representatividade deve ser um compromisso das empresas e estruturas”, apontou o jornalista Pedro Henrique França durante live

4

A última atividade do ano do projeto 40tena Cultural da Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto aconteceu no dia 16 de dezembro e trouxe o jornalista, diretor e roteirista, Pedro Henrique França, para abordar o tema “Corpos Dissidentes: Representações na literatura e no cinema”. O bate-papo online foi mediado pela atriz, diretora e dramaturga, Eme Barbassa.
Representatividade foi o principal tema do bate-papo transmitido pelo Instagram e pelo site da Fundação. Para Eme Barbassa, tanto a literatura, quanto o cinema, possuem um papel importante na representatividade artística, ao passo que também são os que menos apresentam diversidade. “A literatura sempre foi gerida e escrita por homens, heterossexuais, cisgêneros e brancos. E o cinema adiciona uma outra camada: a imagem”, disse.

 

Outro ponto de importância do debate, segundo Pedro Henrique França, foi poder trazer luz a essas questões e reafirmar que todos os espaços precisam ser diversos e que a representatividade deve ser um compromisso das empresas e estruturas. Pedro enumerou algumas dificuldades para alcançá-la no cinema e na literatura.

Para ele, o primeiro e grande obstáculo é a visão branca e patriarcal do homem. “Sempre temos essa barreira, de se fazer presente e estar no imaginário das pessoas, porque essa representação sempre acontece com as mesmas pessoas”, destacou. O jornalista lembrou ainda das representações das minorias que acontecem, geralmente nas dramaturgias, com o objetivo de levar as pessoas a terem o pensamento de “dó”. “Com esse intuito, nunca vão conseguir mudar a consciência das pessoas. Isso é um desserviço para a sociedade”, disse.

A atriz Eme Barbassa destacou a representatividade que não acontece apenas nas telas do cinema e nas páginas dos livros. “Essa mudança deve começar com quem escreve roteiro ou livros”. O jornalista convidado complementou que as pessoas que querem estar representadas, sejam nas telas ou livros, devem demonstrar o dobro para ter acesso nessas posições. “Tudo que você fizer, precisa ter uma responsabilidade dobrada. Você não pode ser bom, tem que ser muito bom. Para justificar o motivo de seu corpo estar ocupando aquele espaço, você tem que valer por dois”, destacou Pedro. Ele também contou que já tentou fazer cinema, mas nunca houve a oportunidade de trabalhar no meio. “Queremos que as pessoas nos escutem, que nos enxerguem”, comentou.
A conversa completa está disponível no canal do Youtube da Fundação do Livro e Leitura: https://www.youtube.com/watch?v=LmnERsx5Sf8

40tena Cultural
A Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto é a principal responsável pela realização da Feira Internacional do Livro, a segunda maior feira a céu aberto do país. Em decorrência da pandemia do coronavírus, as atividades de sua primeira edição internacional tiveram de ser adiadas para 2021. Com isso, a Fundação propiciou neste ano diversos encontros em plataformas digitais para que as atividades culturais não deixem de estar presentes, na chamada “40tena Cultural”.

O projeto também teve como proposta incentivar as pessoas a ficarem em casa durante o período de isolamento social. Semanalmente são divulgadas atividades que abrangem desde transmissões ao vivo com artistas e convidados, até contação de histórias, shows, dicas de leituras e debates literários. O cardápio de eventos é bem diversificado e usa tecnologias diferentes, mas todas com acesso fácil.
Para a diretoria da Fundação do Livro e Leitura, em todo este tempo de quarentena, a principal busca foi focada na continuidade das atividades promovidas, de maneira a assegurar os valores do DNA da instituição. A 40tena Cultural possibilitou à toda equipe da instituição continuar seu trabalho em home-office numa operação estruturada dentro dos protocolos da OMS (Organização Mundial de Saúde) e das autoridades brasileiras, em nível federal, estadual e municipal.

Como acessar a agenda cultural
A 40tena Cultural está sendo divulgada semanalmente nas redes sociais da Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto. Para participar, basta acessar os endereços online da instituição.
Instagram (@fundacaolivrorp)
Facebook (facebook.com/FundacaodoLivroeLeituraRP)
Linkedin (fundacaolivrorp),
Twitter (@FundacaoLivroRP)
Youtube (FeiraDoLivroRibeirao)
Site www.fundacaodolivroeleiturarp.com

Sobre a Fundação
A Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto é uma entidade de direito privado, sem fins lucrativos. Trata-se de uma evolução da antiga Fundação Feira do Livro, criada em 2004, especialmente para realizar a Feira Nacional do Livro da cidade. Hoje, é considerada a segunda maior feira a céu aberto do país. Em 2020, a Feira tornou-se internacional e entraria na 20ª edição. Por isso, recebeu recentemente nova identidade, apresentando-se como FIL (Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto), mas a sua realização foi remarcada para agosto de 2021, devido à pandemia do novo Coronavírus.

Com uma trajetória sólida e projeção nacional e agora internacional, ao longo de seus 20 anos, a entidade ganhou experiência e, atualmente, além da Feira, realiza muitos outros projetos ligados ao universo do livro e da leitura, com calendário de atividades durante todo o ano. A Fundação se mantém com o apoio de mantenedores e patrocinadores, com recursos diretos e advindos das leis de incentivo, em especial do Pronac e do ProAc.