Diminuição de exames de mamografia impacta no diagnóstico precoce do câncer de mama

Em 5 de fevereiro é celebrado o Dia Nacional da Mamografia que tem como objetivo conscientizar a população sobre a importância do exame para detectar alterações na mama

5

Na região de Ribeirão Preto foram registrados 110 novos diagnósticos de câncer de mama em 2020 contra 289 casos em 2019, de acordo com o DataSUS. Uma das possíveis explicações para a queda está relacionada à baixa aderência aos exames preventivos principalmente por conta da pandemia. Conforme dados do Programa de Assistência Integral à Saúde da Mulher, da Prefeitura de Ribeirão Preto, até agosto do ano passado, o registro de queda foi de 50% na realização de mamografias. A importância do exame é tanta que, no dia 05 de fevereiro, é celebrado o Dia Nacional da Mamografia.

De acordo com Diocésio Andrade, oncologista do InORP Oncoclínicas a mamografia, que é uma radiografia do tecido mamário, é a principal ferramenta para a detecção do tumor por ser capaz de identificar lesões nos estágios iniciais, o que favorece o tratamento e aumentam as chances de cura. “Com o atual cenário de pandemia, as pessoas acabaram deixando de buscar um médico e realizar os exames preventivos e periódicos, mas precisamos ter consciência que as outras doenças, como o câncer, não vão esperar essa fase acabar”, afirma o médico.

A Sociedade Brasileira de Mastologia indica a realização da mamografia, anualmente, para mulheres acima dos 40 anos. Já o Ministério da Saúde recomenda que pacientes, com idade entre 50 e 69 anos, realizem o exame preventivo a cada dois anos. Dados do INCA apontam que 70% das mulheres, entre 50 e 69 anos, têm acesso à mamografia, considerando a rede pública e privada. No entanto, uma pesquisa realizada pelo Instituto Avon/IPSOS aponta que apenas 20% das mulheres têm o hábito de repetir a mamografia no intervalo de dois anos.

“Ainda existe muita desinformação sobre o exame, o que impacta o diagnóstico precoce que pode realmente salvar vidas”, continua Diocésio. A ideia de que é muito dolorido e que só quem encontra nódulos nos seios precisa realizar a mamografia são alguns dos “mitos”, segundo o oncologista, que afastam as mulheres dos exames regulares. “Toda pessoa deve conhecer seu corpo e estar atenta aos sinais que possam surgir como nódulos, geralmente indolores, na mama ou axila, pele avermelhada ou retraída, alterações no mamilo e saída espontânea de liquido anormal. Mas só o autoexame não é o suficiente. A mamografia é o método de diagnóstico que demonstra maior eficácia na detecção precoce do câncer de mama”, explica o médico.

 

 

Diocésio Andrade, médico oncologista do InORP Oncoclínicas