Infectologista recomenda “isolamento” no Carnaval de 2021

A onda de crescimento de casos registrados em janeiro e a variante do vírus provocaram o cancelamento das festas e dos pontos facultativos em todo Brasil

Dra. Sílvia Fonseca, diretora corporativa de infectologia do Sistema Hapvida, que administra o Grupo São Francisco
5

O agravamento do quadro da pandemia da Covid-19 com uma onda de crescimento dos casos no mês de janeiro e a aparição de variantes do vírus trazem um alerta ainda mais importante para o período do Carnaval. Mesmo com os eventos cancelados e o anúncio da suspensão do ponto facultativo em São Paulo, as autoridades mostram preocupação com as possíveis aglomerações no período.

A médica infectologista Sílvia Fonseca, diretora corporativa de infectologia do Sistema Hapvida, que administra o Grupo São Francisco, recomenda que as pessoas adotem o “isolamento” e reforcem os cuidados em relação às medidas de prevenção à Covid-19.

“As pessoas se sentem cansadas com as restrições impostas pelo cenário da pandemia, mas no Carnaval de 2021 não vamos poder aglomerar porque esse vírus continua por aí. Precisamos ser ‘mais espertos’ que ele, para evitar a contaminação”, comenta Silvia.

De acordo com os dados do Ministério da Saúde, o Brasil registrou 29.555 mortes pelo coronavírus em janeiro de 2021. Desde o começo da pandemia, foi o terceiro mês com maior número de óbitos, sendo superado por julho de 2020, que teve 31.627 casos e foi o mês com mais confirmações de mortes pela doença, e junho de 2020, que contou com 30.280 notificações. Em razão do quadro, nesse período, o Plano São Paulo classificou seis das 17 regiões do estado na fase vermelha, a mais restritiva.

A médica recomenda ainda que, neste momento, o ideal é sair de casa somente em casos essenciais, evitando viagens e situações de risco, além de reforçar os cuidados necessários de proteção.

“É preciso curtir o Carnaval em casa e quando tiver que sair, por alguma situação essencial, devemos utilizar a máscara cobrindo o nariz e a boca, sempre utilizar o álcool em gel e lavar as mãos. Com essas medidas, o vírus ficará longe. O nosso grito de Carnaval neste ano será o ‘Xô, Corona’”, aconselha Silvia.