NutriAção chega à comunidade Sete Curvas

Cinquenta famílias da comunidade, localizada no bairro do Ipiranga, receberam os kits de hortifruti

Fernando Gonzaga/PMRP
11

O “NutriAção”, projeto da Secretaria de Assistência Social, através do Banco de Alimentos em parceria com o CEASA de Ribeirão Preto, distribuiu nesta sexta-feira, 19 de fevereiro, 50 kits de hortifruti a famílias em situação de vulnerabilidade social da comunidade Sete Curvas, no Ipiranga, região Oeste da cidade.

Sandra Márcia Pinto, de 39 anos, líder comunitária da Sete Curvas e moradora da comunidade há sete anos, fala da importância dos kits. “Pra nós aqui na comunidade, nessa crise que está tendo, as coisas estão todas muito caras, nós temos só a agradecer. Nós fomos a última comunidade a ser contemplada com o NutriAção, então a gente só tem que agradecer”.

Ester Patrocínio Costa, moradora da comunidade há quatro anos, ressalta a importância dos hortifruti para os filhos em fase de crescimento. “Sempre tem doação de cestas e a gente agradece muito, mas é muito importante as frutas e legumes, eu tenho uma menina de dois anos, e os hortifruti são essenciais para o crescimento”.

 

 

Mais kits “NutriAção”

A secretária municipal da Assistência Social, Renata Corrêa Gregoldo, esteve presente na entrega dos kits, acompanhada de José Carlos da Cruz, responsável pelo Banco de Alimentos, e Ademir Cipriano, gerente de entrepostos do CEASA Ribeirão Preto.

 

“Essa parceria com o CEASA é muito importante porque, além de garantir a qualidade dos alimentos fornecidos, traz credibilidade para o projeto, para que possamos conquistar mais parceiros”, disse.

 

Além de oferecer um alimento nutritivo, o NutriAção também objetiva inserir essas famílias no Cadastro Único, se necessário, aumentar a abrangência de famílias referenciadas nos CRAS e possibilitar o mapeamento e o diagnóstico das demandas sociais do Município. “A continuidade e perenização desta ação consiste num cronograma de visitas nessas comunidades através do nosso SEMAS Móvel, para aproximar e acolher ainda mais essas pessoas em situação de vulnerabilidade social”, conclui a secretária.