Cetrem recebe 22 pessoas em situação de rua no primeiro dia de ação de apoio

Ação conjunta da Semas e grupos voluntários tem objetivo de garantir assistência durante período de medidas restritivas, até o próximo domingo (21)

Zanone Fraissat/Folhapress
5

Para garantir que sejam distribuídas 300 refeições por dia para pessoas em situação de rua enquanto durarem as medidas de restrição decretadas pela prefeitura de Ribeirão Preto, a Secretaria de Assistência Social estabeleceu uma parceria com diversos grupos de apoio até o próximo domingo, dia 21 de março. No primeiro dia da ação, 22 pessoas foram encaminhadas para acolhimento no Cetrem.

Ficou definido entre os 11 grupos que atuam voluntariamente na assistência a pessoas em situação de rua que, a cada dia, um grupo diferente fará a distribuição dos alimentos em três pontos fixos: entre o Mercadão Municipal e o CPC, Comunidade do Brejo e Av. dos Bandeirantes.

Renata Corrêa, secretária da Assistência Social, fala da preocupação em atender as pessoas situação de rua e vulnerabilidade social. “É o momento mais delicado até hoje e não vamos medir esforços para atender e ajudar quem mais precisa em uma situação tão crítica como a que vivenciamos agora. É hora de unirmos forças com toda a sociedade, fazer o que for preciso para garantir a segurança alimentar do maior número de pessoas e cumprir de forma consciente o que determina o decreto”.

Os voluntários estão sendo acompanhados por uma equipe do Cetrem, formada por motorista e educador social, que faz o apoio e atua na sensibilização para o acolhimento da pessoa que se encontra em situação de rua.

Além da distribuição de alimentos, foram intensificadas as rondas do SEAS – Serviço de Abordagem de Assistência Social, com o intuito de ofertar o acolhimento nos serviços oferecidos pela SEMAS.

Para o programa de Recâmbio, foi ampliada a capacidade de atendimento.

A Secretaria Municipal de Assistência Social também se organizou para ampliar o atendimento a pessoas em situação de rua.

Na avenida Capitão Salomão, funciona o serviço em sistema de “albergue emergencial” para acolher 130 pessoas do sexo masculino, o Complexo Cetrem, com capacidade para mais 100 pessoas e o projeto Travessia, de 40 vagas.

Além desses, existe ainda o acolhimento feminino e a casa de passagem feminina. A SEMAS está se preparando para que, caso a demanda seja maior do que as vagas oferecidas, consiga reorganizar o acolhimento emergencial.

Em todos os locais são observadas todas as medidas sanitárias, como distribuição de máscaras, álcool gel e também são realizadas rodas de conversa de conscientização da pandemia.

Os serviços realizados pelo Centro POP foram integralmente transferidos para o albergue e complexo Cetrem durante o período de vigência do decreto, estimulando que as pessoas permaneçam em um local fixo, evitando o trânsito na rua.

“A participação do voluntariado e daqueles que se preocupam com as pessoas em situação de rua é de grande valia, não apenas neste momento de pandemia, mas também ao longo de todo processo. Esta união fortalece a rede de apoio, parabéns a todos os envolvidos”, comenta Laura Aguiar, diretora do Departamento de Proteção Social Especial.