Literatura colaborativa: uma alternativa para autoras durante a pandemia

6

Elas investiram recentemente na composição a quatro mãos. Lembra um concerto de piano, mas estamos falando de Jéssica Macedo e Mari Sales, duas escritoras brasileiras que se conheceram via aplicativos de internet e, no ano passado, durante a pandemia trocaram mensagens. Deste encontro virtual, descobriram um universo de possibilidades na escrita conjunta. A conexão se deu logo no começo do trabalho e rendeu, em agosto, um livro de fantasia assinado pelas duas, parte de uma série formada por produções autorais complementares. No próximo dia 9 de abril, elas lançam “Sempre Minha”, mais um e-book pelo Grupo Editorial Portal – o segundo integralmente escrito em conjunto e o terceiro que retrata narrativas das Famílias Mazzi e Sartori, sucesso de vendas pela Amazon.

“Na pandemia, a gente começou a conversar sobre o mercado editorial, o atraso de correios para entrega de lançamentos e o cenário geral, aí eu brinquei com a Jéssica – vamos escrever um livro juntas? Ela topou”, conta Mari.

Jéssica lembra que quando recebeu o convite estava com a capa de “Trevor” na sua lista de projetos. “Apresentei a ela e logo começamos a escrever”, complementa.

Para montar essa primeira série, as autoras trouxeram o universo de vampiros à tona. Primeiro elas decidiram estratégias e roteiros em conjunto, mas cada uma escreveu o seu próprio livro, só que com conexões de personagens, cenas e falas. Deste projeto colaborativo, nasceram as histórias de fantasia “Trevor – o bebê proibido”, de Jéssica Macedo e “Scorn e a inevitável conexão”, de Mari Sales.

Como aprendizado desta experiência, Jéssica diz que a autocolaboração é uma excelente ferramenta para o processo criativo. Ela percebeu que essa é uma forma de se ter ideias, até melhores, antes de iniciar a escrita. A produção tem sido muito rápida com trocas diárias entre elas. “A gente compartilha antes o roteiro, as cenas que aparecem em comum nos livros, o que facilita o trabalho”.

Com os dois livros iniciais da série publicados, a dupla ficou animada para o lançamento do terceiro do combo: “Thomy & Milly – E o amor proibido”, lançado pela Amazon – este sim escrito pelas duas. A trilogia foi um sucesso de vendas e abriu caminho para novos trabalhos.
“Foi muito bom escrever em conjunto. Eu tenho um ritmo ágil de escrita e a Mari foi a primeira autora que encontrei na mesma ´vibe´ e com metas semelhantes. Conseguimos fazer os livros no mesmo prazo”, destaca Jéssica.

Mari explica que não é só o ato de escrever em si que exige essa sintonia. Segundo ela, os projetos têm dado certo, porque há algo a mais. “Para fazer a parceria, a gente precisa estar também conectada nos objetivos e nós temos uma visão do mercado que contribui muito”.
As autoras indicam que antes de se iniciar um projeto como os que criaram, é preciso um bom planejamento. “Conversamos bastante, avaliamos qual o tema mais lido e qual assunto nossos leitores estavam mais interessados no momento”, garante Mari.

Sintonia de projetos
Tanto Mari Sales quanto Jéssica Macedo já tinham vivido essa experiência de escrever a quatro mãos em outras parcerias, mas revelam que a afinidade entre elas funcionou bem. A forma fluída e a agilidade na escrita são características semelhantes entre as duas, o que gerou de imediato pontos positivos para esse trabalho coligado, abrindo perspectivas a novas histórias.
Mesmo escrevendo em conjunto, as escritoras trazem a sua bagagem particular nas produções. “A nossa escrita é parecida, mas cada uma tem suas particularidades”, finaliza Jéssica.

Jéssica Macedo
É mineira de 25 anos, mora em Belo Horizonte, Minas Gerais. De dentro de seu apartamento, na companhia do marido e de três gatos, ela produz uma série de livros de fantasia, romances de época e contemporâneos e, principalmente, obras da literatura hot, um verdadeiro fenômeno editorial entre o público feminino, vendidos em um ritmo intenso nas plataformas digitais.
Teve a primeira experiência aos nove anos e tornou-se autora aos 14, com o lançamento do seu primeiro livro, “O Vale das Sombras”. Com mais de 60 obras publicadas, é escritora, editora, designer e cineasta. Hoje, Jéssica é o principal nome de um time de 25 autores, a maioria mulheres, que compõem o catálogo do Grupo Editorial Portal, que ela mesma criou a partir das experiências vividas em outras editoras.

Mari Sales
Filha, esposa e mãe de dois filhos, além de ser formada em Ciência da Computação, com mais de dez anos de experiência na área de TI, dedica-se exclusivamente à escrita desde julho de 2018. Neste período publicou mais de 70 títulos na Amazon, entre contos, novelas e romances.
A trajetória da autora começou desde o nascimento da sua filha em 2015, quando sentiu a necessidade de escrever e publicou seu primeiro conto autobiográfico em junho de 2016, “Completa”, firmando-se como escritora em janeiro de 2017, com o livro “Superando com Amor”.

Sinopse do livro “Sempre Minha”


A ideia de tê-la era tão dolorida quanto a de afastá-la de mim.⠀
Fiz mal a pessoa que amava em segredo. A única que eu deveria proteger acabou sendo vítima dos meus desejos. Izabel Mazzi estava comemorando seus vinte e um anos quando me pediu um beijo e eu lhe dei meu coração.⠀Eu não a merecia. Nossa diferença de idade e a forma como tudo aconteceu naquela festa me impediam de ter uma conversa franca e assumir o meu erro. A culpa me corroía e por seis anos eu a afastei.⠀

Mas ela tinha outros planos. Além de assumir os negócios da família, Izzi estava disposta a destruir a barreira que construí para que não se aproximasse. Ela merecia mais do que aquele momento descuidado que proporcionei.⠀

Não me achava digno daquele anjo, mas não consegui aceitar outro homem em sua vida, nem mesmo sendo um Sartori. E, para comprovar isso, eu teria que esclarecer o mal-entendido do passado e assumir que Izabel Mazzi sempre foi minha.

Para conhecer mais sobre as autoras:
http://www.autoramarisales.com.br
Instagram: @autoramarisales
Facebook.: facebook.com/autoramarisales
Instagram: @autorajessicamacedo
Facebook: facebook.com/autorajessicamacedo/