Ribeirão Preto garante R$ 25 milhões para compra da vacina contra a Covid

Decreto que legaliza a abertura de conta no Banco do Brasil foi assinado pelo prefeito Duarte Nogueira

Alexandre de Azevedo/PMRP
5

Ribeirão Preto vai abrir uma conta corrente específica no Banco do Brasil para depositar R$ 25 milhões para compra futura de vacinas contra a Covid 19, destinadas à imunização da população da cidade.

O anúncio foi feito pelo prefeito Duarte Nogueira, durante coletiva de imprensa, na tarde desta terça-feira, dia 7 de abril.

Após assinar o Decreto que institui a abertura da conta corrente, o prefeito disse que o dinheiro que ficará reservado, é proveniente de recursos do contribuinte de Ribeirão Preto a partir de economias de toda a administração, e vai garantir a compra da vacina de fabricantes estrangeiros.

“Em virtude de duas leis já aprovadas e sancionadas, uma permite Ribeirão Preto participar do consórcio Conectar para a aquisição de vacinas.

A outra autoriza o município a adquirir vacinas, desde que estejam aprovadas pela Agência Nacional de Saúde, mas caso a Anvisa demore para aprovar dentro do prazo legal, poderemos adquiri-las , desde que  estejam aprovadas pelos órgão de Vigilância Sanitária de seus países”, disse.

Duarte Nogueira explicou que o recurso ficará disponível na conta ao longo do ano, e havendo a oportunidade legal e operacional, fará a compra.

“O valor para compra de vacinas que estão no mercado brasileiro, como a Sinovac, do Butantan e a AstraZeneca, além das outras que estão em processo, o custo, em média, é de 10 dólares americanos, portanto, com 25 milhões de reais, temos potencial de aquisição de 500 mil doses, para imunizar a população da nossa cidade”, comentou o chefe do Executivo.

Negociações

O prefeito Duarte Nogueira ressaltou ainda, que o secretário da Casa Civil, Ricardo Aguiar, já está em contato com a direção do laboratório AstraZeneca.

“A empresa marcará, para os próximos dias, uma reunião, onde participarão também o secretário da Saúde, Sandro Scarpelini e equipe para saber qual é a oferta da empresa e de que modo a negociação será operacionalizada, do ponto de vista legal brasileiro”, disse.

Duarte Nogueira comentou ainda que mantém diálogo com o prefeito de São José dos Campos e vice-presidente da Frente Nacional de Prefeitos, Felício Ramuti, cuja cidade abriga uma planta a Johnson & Johnson e já vende a sua vacina para outros países, que criou o Consórcio Conectar.

“A empresa está comercializando com o mercado internacional a sua vacina com valor em média entre 8 e 9 dólares, mas a empresa ainda não pode vender no mercado brasileiro, por conta de tratativas com o Governo Federal, mas  ele explicou que a Doutora Carla Domingues, que foi durante dez anos coordenadora do Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde, foi contratada pelo Consórcio Conectar para fazer as tratativas, com as embaixadas e os representantes comerciais dos laboratórios mundo afora, oferecendo vacinas para serem adquiridas países estrangeiros”. Concluiu.